MANTER VIVAS AS MEMÓRIAS DE UM PASSADO MORTO


Quantas vezes paramos para pensar no nosso passado? Nos locais que visitamos, nas pessoas que conhecemos (mas que deixaram de fazer parte da nossa vida), nos momentos que vivemos, nas sensações que sentimos, nos sonhos que tivemos, nos objectivos que traçamos… Raramente.

Apenas paramos para reflectir (e nos deixamos levar pelo sentimento de nostalgia) quando nos deparamos com obstáculos. Algo que nos obrigue a parar e a reflectir sobre o modo como conduzimos a nossa vida.

Mas porquê? Porque é que não damos valor às coisas senão quando as perdemos? Tendemos a tomar tudo como certo. Raramente paramos para reflectir sobre o que é realmente importante para nós e lutamos que permaneçam. Temos consciência de que devemos valorizar tudo aquilo que dá sentido à nossa vida. Mas nunca o fazemos. E depois damos por nós a chorar a sua perda, a lamentar a nossa triste sina.

Sendo animais racionais (é isso que nos distingue de todos os outros seres vivos) deveríamos agir de forma mais consciente. Mas raramente o fazemos. Deixamo-nos muitas vezes levar pela emoção do momento. Agimos instintivamente, sem pensar que os nossos actos poder destruir o que está à nossa volta. Ferir aqueles que mais amamos.

***


One response to “MANTER VIVAS AS MEMÓRIAS DE UM PASSADO MORTO

  • Yashmeen

    O meu passado atormenta-me mais vezes do que aquilo que gostaria…

    Tu és uma parte importante das minhas memórias. Aliás, olho para a minha infância e, nos melhores momentos, estás quase sempre lá.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: