“O TRANSTORNO BIPOLAR NÃO É UMA INVENÇÃO, UMA ‘MANIA’, UM TRUQUE PARA CHAMAR A ATENÇÃO”


Podemos ler todos os livros lançados sobre a matéria, consultar todos os especialistas, visitar todos os espaços cibernáuticos dedicados à doença, que nunca conseguirem ter a real percepção do drama que é conviver com o distúrbio bipolar. Por isso, tomo a liberdade de partilhar o testemunho de uma verdadeira mulher de coragem que aprendeu a sobreviver nesta insconstância… Yashmeen.

«Tenho a boca seca. Tenho febre. Não durmo há dois dias, nem com o triplo da dose de ansiolíticos. O meu sistema imunitário fragilizado originou-me uma crise fortíssima de rinite. Sinto-me como se me tivessem sorvido parte da minha energia. Tenho a cabeça esvaziada, com um peso que não consigo aguentar. Quase não consigo pensar, comer, tenho o estômago desdobrado em nós. Estou triste, quero chorar e não posso. Tento não falar com pessoas, com medo de que a mínima coisa que digam me possa doer mais que o habitual. Ou que não digam. Não atendo o telefone, a menos que seja por motivos profissionais (estou em piloto automático).

A cada médico novo, gera-se este medo: o da mudança da medicação. A última vez tinha sido há dois anos. Sei que é inevitável e que demora uma semana. Antes de passar a nova receita, a nova médica pergunta-me se quero duas semanas de baixa. Ora eu não posso ter baixa porque tenho um negócio. Nem me deixo vencer assim. Deito as caixas do antigo medicamento fora, para não ter a tentação de voltar a este, e encaro o desafio do novo, não sem pesar. Sei que tenho um marido que aprendeu a viver com isto e que mete mãos à obra para me facilitar a vida em tudo. Por isso, entre outras coisas, lhe sou tão grata, porque outros não têm a mesma sorte. Tenho um rapazinho que não pode perceber que a mãe não está bem e que precisa de mim como nos outros dias. Não posso meter baixa da vida.

Viver com transtorno bipolar dá-nos momentos de grande desespero. Não é o fim do mundo, não é a pior das doenças, é possível ter uma vida normal. Tem maus momentos, momentos em que se sente que se está a tocar o fundo do poço. Muitos não aguentam esta montanha-russa de medicações e alterações do estado de ânimo e a taxa de suicídios é muito alta entre os bipolares. Já me aconteceu passar por tudo isto quase uma vez por mês. Agora já não me acontecia há dois anos, que foi a data da minha última mudança de medicação. Acho que aprendi a lidar com este desespero, mais ou menos. Consola-me a ideia de ter atingido uma estabilidade muito aceitável, coisa que, infelizmente, muitos nunca chegam a conseguir.

O transtorno bipolar não é uma invenção, uma “mania”, um truque para chamar a atenção. É sério e existe, muito para além da vontade que possamos ter de que não exista. Não tem cura, não tem remédios mágicos, não passa com terapias alternativas, nem com noites de copos. Existe, dói e afecta-nos fisica e psicologicamente. Vai para além dos erros que possamos fazer/ter feito, do nosso passado, das nossas opções de vida. Não está associado a consumos de droga nem a comportamentos bizarros, regra geral.

Não nos valoriza nem diminui intelectualmente, como por aí se diz. Encontro blogs de bipolares que se acham semi-deuses num Olimpo qualquer e isso repugna-me, porque há tanto sofrimento por trás da hiperactividade que muitos querem achar fantástica, porque nos faz mais produtivos, mais energéticos, mais activos. Faz-nos também entrar num desgaste exagerado que depois o corpo compensa com uma certa letargia e apenas a medicação consegue repor o equilíbrio das coisas.

Não posso fechar a persiana e desaparecer quinze dias. Não posso, não quero, recuso-me. Estou mal, amanhã posso estar melhor ou pode ser apenas depois de amanhã. Luto sinceramente contra isto, mas uma das maiores tristezas da minha vida é não poder dormir uma noite sem medicamentos. Desde há dez anos e até ao fim dos meus dias. Se pudesse apagar qualquer coisa da minha vida, apagava isto. Como não posso, deixo que os meus fantasmas me assaltem e reúno forças para que um dia destes os possa meter de novo no armário e fazer de conta que, mais uma vez, isto não aconteceu. Mas não é hoje. Hoje eles andam por aí e eu não tenho forças.»

Yashmeen in Entre do(i)s Mundos – «Walking in my shoes»


31 responses to ““O TRANSTORNO BIPOLAR NÃO É UMA INVENÇÃO, UMA ‘MANIA’, UM TRUQUE PARA CHAMAR A ATENÇÃO”

  • Yashmeen

    Espero sinceramente que o meu testemunho possa sublinhar o que tão bem escreveste. Obrigada pela visão lúcida sobre o tema.

  • Aleera

    Olá,

    Como é que se vive com o Lupus e com esta doença?
    Somos duplamente amaldçoadas!
    Às vezes quero desistir de tudo e desaparecer. Desejo nascer outra vez, melhor e mais perfeita.
    Quero poder esquecer a dor que tenho dentro de mim. Quero esquecer e quero que me esquecam. Por vezes é tão dificil manter-me viva, querer estar viva.

    Aleera

  • SuSe

    Cara Aleera,

    Sei que muitas vezes o estado de desmoralização é tal que apenas nos parece viável desistir de tudo. Fechar o livro e, se possível, lançá-lo à fogueira para eliminar todo e qualqer vestígio. Mas acho que isso não resolve nada, a não ser o imediato.
    Não é por iniciarmos uma nova história que nos vamos tornar melhores e mais perfeitas.
    Tens que procurar a perfeição dentro dos teus defeitos, daqueles pequenos traços da personalidade que fazem de ti um ser único… Não te escondas, nem permitas que o mundo se esqueça de ti.

    Por muito que custe, mantém a chama viva!

    ***

    • sonia

      Suse, gostei muito de ler o que escreveste. Há 10 anos que sofro de bipolaridade, mas neste momento em que estou numa crise depressiva e com 2 filhas, uma de 4 anos e outra de 18 meses não é fácil. Tenho as avós e algumas tias e o ,meu marido, que é um querido que tomam conta delas. Mas depois sinto-me muito afastada delas e sinto que demoro algum tempo a conquistá-las de novo. Se puder deixar algum conselho ou alguma palavra confortante, agradeço.
      Obrigada.

  • Yashmeen

    Aleera,

    Há sempre uma esperança de que apareça um medicamento novo, uma terapia. Não percas a força.

  • tangas

    ser feliz todos os dias é uma grande cura. para a maior parte dos males. não nos podemos esquecer de ser felizes todos os dias. não querem experimentar?

  • Tania

    Mas, e como se vive com um bipolar? toda a gente fala dos coitadinhos dos bipolares que sofrem tanto, (e sofrem sim senhor!) mas, e quem vive com eles? a minha mãe é Bipolarissima, e faz a vida negra a toda a gente que vive com ela! tanto está estérica, fala alto, nao para quieta, (principalmente quando vê os netos, de tanta alegria), achasse mais inteligente que toda a gente, muito culta e sobredotada! é extremamente incoveniente a maior parte das vezes ao ponto de numa saida nos deixar a todos embaraçados porque fala demais, e fica mega obcecada com limpezas e tudo o mais! depois passa dias e dias enfiada na cama, sem fazer absolutamente nada, em que ate o pequeno almoço e o lanche lhe temos que levar a cama, porque nao lhe apetece levantar…como se vive com isto? o meu pai matasse a trabalhar, chega a casa cansadissimo do emprego e a minha mãe como esteve sozinha o dia todo só quer atençao e mõelhe a cabeça com perguntas..eu tento ajudar e ter paciencia e ser querida, mas é dificil ter palavras de amor e compreenssaõ quando tudo aquilo que dizemos é levado a mal, e levamos com respostas agressivas…
    como faço para conviver com isto? que tipo de atitude devo ter? nao sei como falar nem o que lhe dizer quando esta de cama pois sao sempre crises diferentes e a maior parte das vezes por motivos estupidos ou insignificantes…quero ajudar, mas responde-nos sempre com tanta amargura e agressividade e que “nao a compreedemos e somos uns insenssiveis” que fico sem vontade nenhuma…vejo que ela sofre e é infeliz e nao sei como fazer, o que dizer…tambem se lhe peço para contar o que se passa limitasse a ficar em silencio como que “a gozar com as nossas caras”, porque ela esta num nivel superior e nao a vamos compreender…
    o ser bipolar sofre e faz sofrer…já que apresentam soluções para quem é bipolar, porque nao apresentam soluções para quem vive com eles? é que sofremos igualmente..não quero acabar por odiar a minha mãe, mas a maior parte das vezes é esse sentimento que me consome pelos sentimentos de culpa que nos faz ter por nao a compreendermos e nao a conseguirmos ajudar…
    alguem sabe de que forma é suposto nós (familiares de bipolares) agirmos, ou de que forma podemos ajudar?…

  • SuSe

    Cara Tania,

    Não existe um manual que ensine a conviver com a bipolaridade. Cada caso é um caso. Não se pode generalizar.
    Compreendo a sua preocupação e desespero perante um cenário tão complexo como o que retratou. Mas infelizmente não existe uma receita ou uma fórmula mágica para ajude a conviver com este distúrbio. Por muito desgastante que seja, os familiares de um bipolar têm que ter uma boa dose de paciência e de compreensão. Aprender a lidar com a situação no dia-a-dia. E apoiar na medida do que lhes for possível.

    ***

  • claudia

    Deve ser coisa de Exu

  • Yashmeen

    Tânia:

    Um bipolar só tem esse tipo de comportamento quando está descompensado e não tem a melhor medicação. A maneira mais eficaz de lidar com um bipolar é ajudá-lo a tratar-se, a tomar consciência da sua doença e acompanhá-lo ao médico, mesmo que ofereça resistência. Em casos mais extremos, o internamento deve ser considerado pela família quando a situação se torna insuportável.
    Não se pode deixar que se afundem no seu próprio poço; um bipolar pode ser uma pessoa difícil, mas não deixa de ser um ser humano que sofre (e faz sofrer, é certo).

  • Anabela

    Também sou bipolar, e hoje estou desesperada.

  • Clara

    Bipolar é um ser mais sensíveil, porém não é superior e nem superior a ninguém. Sabendo tirar proveito, somos mais persistentes e batalhadores, o que nos faz muitas vezes, conseguir nossos objetivos. O que não podemos é ficar sem dormir, com idéias fixas. Passei 8 anos sem tomar nenhuma medicação e só veio a terceira crise porque não prestei atenção nas minhas emoções e abusei… ficando sem dormir, fazendo longas pesquisas, que abalaram o meu lado emocional. Sou dócil, fácil de lidar, e mais “normal” do que muitos que se julgam “normais”. Não é possível igualar ninguém, criar rótulos é uma injustiça. Agora estou tomando medicamentos, porém, tenho o objetivo de deixá-los algum dia. Faz um mês que a crise aconteceu. Vou lutar e me conhecer mais, estou em um psicólogo e sei que fui responsável pela minha recaída, pois não dei importância ao meu próprio sofrimento e deixei a doença voltar.

  • wellington antonio

    amo uma mulher que se chama flavia .ela sofre de desturbio ,pois quero sempre ajudala, mais choro escondido pra que ela não veja, pois sempre quero deixala com astral sempre alto, sempre fico com ela nos momentos difiçeis ; pois tambem ela é bolemica, procuro uma razão mais não encontro pois creio que essa coisa pode ter uma cura, mesmo as pessoas me dizendo ao contrario, pois é muinto difiçio não saber como sua mulher estara daqui alguns minutos horas ou dia , pois oro todo dia pra meu deus acreditando eu que isso seja só uma depressão passageira

  • maria

    Gostaria de saber como lidar com um marido bipolar, que toma os remédios nas horas errads e está em fase maníaca. dorme em torno de 4 hora por dias em horários intercalados e não pára de criar projetos e falar.

  • joel

    heefeflhfkdhlajhlkjfhlkcmxncbfbdbjhdbfdbfasnbmnxzb cbdjfbnbchdbhdb

    vfkhgbgdgfy
    jbjb

  • Alexandre

    SOBRE COMO SE LIDAR COM UM BIPOLAR (escrito por um)…

    Sou portador da doença mas estou sendo tratado. Conheci-me aos poucos com ajuda dos medicamentos… percebo imediatamente quando estou entrando em depressão e quando disparam as primeiras faíscas da mania. Sei que quando estou em mania “NAO ADIANTA DISCUTIR” pois sempre terei a palavra final. O ideal que as outras pessoas façam quando estou em mania é tentar entrar na brincadeira e tentar tornar a vida mais Dinamica e Divertida pois a monotonia nos faz sentir ” RAIVA”. Geralmente escuto musica no volume maximo ou jogo jogos de açao pra gastar toda essa energia, ou faço os dois ao mesmo tempo. Nesses periodos o bipolar precisa ter cautela no volante. As atividades produtivas (sejam qual forem) estarão amplamente beneficiadas. Nesses periodos convidem o bipolar pra sair com os amigos, ir curtir um parque, um cinema, um shopping, um futebol… ele ficará muito feliz e agradecido.

    Já quando estou Depressivo (como agora) preciso somente de “UM TEMPO”, nao necessariamente de carinho pois sou orgulhoso e sei que a depressão passará. Nesse estado eu sei que nao preciso de gente me dizendo (“VAMO LA CARA VOCÊ VAI MELHORAR, VOCE TEM QUE PENSAR POSITIVO, REZA PRA DEUS COM BASTANTE FÉ QUE ELE TE AJUDA, VAMOS NO CINEMA, VAMOS SAIR UM POUCO VOCE SO FIKA EM CASA”). Isso so atrapalha pois a verdade é que nada do que eu citei acima faz a depressao passar.
    Quando o bipolar esta deprimido é necessaria muita compreensao e cuidado pois nesses momentos aumenta muito o risco de suicídio (vide o texto de abertura deste tópico).
    A melhor coisa a fazer nesses momentos é ligar para seu medico pedir uma alteraçao da medicaçao.

    UM GRANDE ABRAÇO AOS MEUS AMIGOS BIPOLARES E SAIBAM QUE A BIPOLARIDADE TEM CURA!!! Meu neurologista é um “exemplo vivo” disso. (leiam nas entrelinhas-aspas)

    • Renata

      Adorei seu comentário, coincide com o que já aprendi sobre a doença. O meu diagnóstico foi dado em 2004 e já tive 3 crises depressivas, o resto do tempo sou eufórica, criativa, hiperprodutiva e disfarço bem , somente eu e meu marido conhecemos o meu mau humor, não chego a atrapalhar as pessoas que trabalham e convivem comigo, durante a fase eufórica.
      Na fase depressiva fico hibernada e sofro muito por ficar muito limitada, sem trabalhar, não há medicamento suficiente para tristeza. Eles nos fazem dormir, mas a tristeza nâo passa!!!! Entendo que os outros sofrem junto, em especial, os familiares.
      Não consigo me animar com nada. Fiquei 3 anos sem crise e sem medicação (talvez o maior erro do bipolar), quando não estamos em crise achamos que não precisamos de remédio, ainda mais tarja preta, que dá inúmeros efeitos colaterais e dependência.No entanto, com o temo e com a dor aprendemos que os estabilizadores de humor são necessários pelo resto da vida. Como diz o meu psiquiatra a doença ainda não tem cura, mas tem remédio.
      Toda vez que vou me drogar com estes medicamentos tento lembrar dessa fala, ainda bem que tem remédio.
      Quero terminar com uma mensagem de otimismo para os bipolares. O sofrimento é inevitável , mas ele é passagerio e a vida vale a pena. Ame a vida, senão a doença te consome e vc perde a luta!!!

  • Rafaela

    DOIS BIPOLARES JUNTOS DÁ PROBLEMA…

    Eu fui diagnosticada Bipolar somente aos 32 anos contudo fazendo uma revisão geral ,reparo que as crises começaram muito antes disso,cerca dos 24,a idade chave da Doença Bipolar.
    Passaram os anos e tive a minha boa dose de medicamentos,Psiquiatras,internamentos,depressões,mania,enfim o comum que nós todos conhecemos.Porém foi preciso chegar aos 37 anos para encontrar uma como eu,e logo em ambiente de trabalho,bem se no início a coisa até se suportava,ela era maniaca e eu depressiva e a coisa ia,ela gritava (parecia que usava um mega fone),se pavoneava,agredia,insultava,humilhava e eu sempre no meu mundo de introspecção,não ligava meia,ficava só apreciando,o pior era quando chegava em casa descontava a minha irritabilidade em tudo e todos,ficava descompensada e só dormia 4 horas por noite durante semanas,a factura estava me aguadando.
    Ao fim de cinco meses fechada na mesma sala de trabalho, 7 horas por dia com essa “bomba relógio”,ela rebentou com o meus limites todos.
    Bati a porta e preferi perder o emprego do que perder o resto do juízo.Ela consegui estourar com 1 ano de total estabilidade da minha doença,bem como com a minha vida profissional e tudo porque há Bipolares que não se tratam e acham que os outros é que têm que suportar as suas crises como se eles fossem os únicos doentes à face da terra.

    • helena morais

      Também sofro de doença bipolar e só há pouco tempo fui diagnosticada. Tenho 35 anos e um filho com autismo. Neste momento estou melhor, mas o meu desempenho como mãe está muito abaixo do esperado, foi como se tivesse deixado de lutar a favor do meu filho. Passei por internamento hospitalar e desde então sinto sentimentos de culpa em relação ao tempo que deixo o meu filho a brincar sozinho e não brinco com ele porque estou em baixo, ou estou sem disposição para brincar com ele. Acho que não merecía uma mãe doente mas uma super mãe, como já fui, forte. Acho tudo isto muito injusto.
      Ao mesmo tempo o meu marido foi trabalhar para fora e estamos a passar por uma separação. Tudo a acontecer ao mesmo tempo deixa-me um pouco à toa quanto ao futuro. Se alguém quiser falar comigo, estou aberta a qualquer tipo de ajuda. Obrigado

      • Mari

        Oi Helena!

        Sei o que passas…também sou bipolar….e inúmeras vezes me senti assim: uma mãe desnaturada…Graças a Deus, hj meu filho tem 19 anos e consegue me entender, nossa relação é muito boa….ainda não consigo dar o carinho que ele merece, mas ele faz isso por nós dois…sempre ta me abraçando, me beijando, coisa que ainda não consigo fazer…Se quiser conversar comigo…segue meu e-mail: maryirenio@hotmail.com

  • fatima

    olha em minha casa temos um caso meu marido que é bipolar gente não aguento mais quando ele se implica comigo nossa dá vontasde de sair correndo é muito triste um abraço

  • carla maria peixoto

    chamo-me carla e sou bipolar.sou meiga,simpática e gostaria fazer amigos.
    a bipolridade é mal interpretada e pouco conhecida,mas sim um aglomerado sentimentos e visão sensações

    • zelia

      oi sou zelia sofro da doença bipolar,digo sofro porque ela não nos define assim como qualquer outra doença já fui meiga simpática neste momento só me apetece estar só,costumava ser muito alegre e tinha muitos amigos era extremamente sociável, mas aos poucos fui me afastando… cada d ia é muito dificil a vontade de desaparecer é enorme mas depois penso nos meus filhos…
      o marido não o comprendo não consigo desabafar com ele é egocentrico so pensa em trabalho sentimentos não existem.
      sinto-me presa a esta relação para não magoar os outros

  • cassia

    AMIGA SOU CASADA COM UM BIPOLAR A 14 ANOS ATUALMENTE ESTAMOS SEPARADOS, POIS ELE SISMOU QUE QUER TER OUTRO FILHO E EU NÃO QUERO, ESTAMOS NESSA SITUAÇÃO ACHO QUE É UM ACRISE DE EUFORIA QUE ELE ESTÁ PASSANDO, NÃO TENHO CERTEZA SE ELE IRÁ VOLTAR PARA CASA.

  • rosangela

    Sou bipolar, mas só descobri recentemente, passei por muito sofrimento e humilhação porque todos os médicos que eu passava, não entendiam o fato de uma hora eu estar em extremo sofrimento e outras em extrema alegria, Não me levavam a sério mesmo, o que mais me assusta é tudo isso me prejudicou muito pois sou funcinária publica, e em alguns momentos os intervalos entre crises foram ficando cada vez mais rotineiros, Todos sabem que tenho depressão, mas não sabem que sou bipolar, sei que muitos entendem, outros apenas fingem que entendem, Mas nos ultimos meses, me afastei detudotufo e de todos, não consiguia me levantar da cama, até que cheguei a ter tantas faltasque quase sofri um processo de faltas, me apovorei não tinha pra onde correr, não conseguia passar com nenhum médico por mais que eu procurasse, até que minha mãe conseguiu uma consulta com um que me disse : vc é bipolar, até então eu tinha tantas dúvidas., Mas ele me convenceu, não sei porque, achop que fiquei feliz em saber que eu não era apenas uma incapaz e sim uma pessoa com um problema muito sério.,Chegamos a conclusão que tinha que mudar a medicação., problema a vista eu tenho verdadeiro pavor dfe mudança de medicação., e ainda por cima teria que me afstar do serviço e consequentemente entrar em licença e passar pela pericia da prefitura que é uma verdadeira tortura e humnilhação, por isso quase entrei em processo de faltas pois preferia ter faltas e descontos altissimos doque passar por isso., Mas foi inevitável, aqui estou eu me sentindo um trapo., sem animo pra anda, e não senti nada na mudança de remédios. tenho muito medo, sei tufdo que si passa comigo e tenho medo de não sair dessa nunca mais.,,bjs amigos

  • nbpr que ainda ama!

    Ola, gostaria de compartilhar meu sofrimento. Eu namorava uma mulher de 30 anos chamada V por quase 1 ano e meio, ela no inicio do relacionamento demonstrava ser uma pessoa dedicada, atenciosa, esforçada em dar certo, começamos nosso relacionamento ficando apenas, e mesmo com este Status tinhamos uma frequencia bacana de nos vermos e nos entendiamos muito bem.
    Apesar dela ter 30 anos, ela nao pode dormir com o namorado, pois a mae a prende e a trata como se fosse imatura, em uma relacao estranha de mae e filha.
    Após uns 5 meses fui informado por ela de maneira sorrateira que havia voltado com o ex(que ainda era noivo), eu sofri muito mas resolvi lutar por ela, e com 8 dias conseguimos oficializar nosso relacionamento aonde a mesma me pedia milhoes de desculpas e perdão por haver me magoado e ter cometido a maior burrada, tivemos entao 4 meses de profunda alegria, aonde apesar dela reclamar de tudo que acontecia no serviço e na casa dos pais onde ela mora, conseguiamos ir nos entendendo. Ela chegou até a me pedir em casamento.
    No quinto mes ela ja estava se mostrando fria, distante, evitando a minha companhia a todo custo, e quando eu perguntava o que estava acontecendo ou se ela podia me dizer algo, a unica resposta que obtinha era que ela nao estava em um bom dia para conversar. Tudo isso estava me magoando demais, e eu por nao conseguir conversar com ela, e ela sempre dizer q nao era um bom dia, ou que eu nao conseguia entende-la acabamos por romper de maneira rispida. Ficamos entao 3 meses separados apesar das minhas tentativas no inicio de reatar.Ela ficou extremamente fria, aonde desprezava totalmente o meu sentimento por ela, chegando a me bloquiar das redes sociais e meios de contato virtuais e a ser cruel fazendo comparações entre eu e amigos que ela tinha, no sentido que ela preferia a cia deles e se sobrasse alguma oportunidade talvez ela me desse uma chance. Neste mesmo periodo de distanciamento ela veio a contrair dividas enormes, aonde gastou com roupas, passeios e viagens.
    Apos este periodo ela veio me procurar se dizendo arrependida, que eu era o homem da vida dela, que ela sentia minha falta demais, que nao suportava viver sem mim, enviando msgs, torpedos, ligacoes e toda forma de comunicacao. Vivemos mais 4 meses de alegria aonde estavamos planejando nosso casamento e adquirindo eletrodomesticos e outras coisas para o nosso lar. Ela tinha sonhos, que eu acompanhava, grandiosos de como seria nossa vida em comum.
    A partir do quinto mes, ela entrou em depressao com sintomas de suicidio aonde foi procurar um psiquiatra q receitou antidepressivos, e apos aproximadamente uns 15 dias ela gelou totalmente, querendo ficar quieta e do nada alterou nosso status de relacionamento no face. Ela faz terapia com uma psicologa, mas aparentemente nao tem tido muito resultado, talvez pelo fato da psicologa nao ser especializada na aréa.
    Eu a amo muito mas nao sei mais como proceder, hoje estamos sem nos falarmos a aproximadamente 2 semanas, onde ela já fez questao de acertar comigo tudo que haviamos comprado, e mesmo tendo sido parcelado ela quitou a vista. Nunca cobrei isso dela, a idéia partiu dela, e nao quis contrariar. Ela enxerga que o termino partiu de mim, que eu estava sendo sufocante e que fui grosso, onde uma das coisas que eu queria era ter um dialogo sem ser interrompido.
    Por favor amigos bipolares e nao bipolares,me deem uma luz.
    Obrigado.

  • Roque

    Eu morava com uma companheira, que tem a doença de Lupus eritematoso Sistemico e é Bipolar.
    Duas doenças que não tem cura.
    Ela me abandonou e foi morar sozinha no período de euforia. Esta trabalhando 16 horas por dia. Intercalando entre Manicure e o Posto de gasolina. Ela se queixa de cansaço. Mora sozinha. Até o gato dela fugiu dela,nem ele aguentou ela, foi me procurar a 2km de distância. Surpresa minha. O Gato de estimação dela veio morar comigo.
    A filha dela diz a mae ensurtou, a mae é louca. Ela não toma o remédio bipolar, somente o remédio anti depressivo.
    Não sei se procuro ajuda ou deixo ela a ver navios.
    Ela e pavio curto. E tantos outros problemas que poderia enumera
    Ela não está abandonada. Deixei um plano de saude pra ela (unimed)
    Eu volto a procurá-la ou deixo ela quebra cabeça?

  • Marilia Cavati

    Queridos Biporares:

    Há 15 anos que sofro dessa doença. Verdadeiramente nós passamos tudo o que foi comentado aqui. Atualmente estou estabilizada, mas com pouca energia, esta pouca energia surgiu a pouco tempo. Faço acompanhamento psiquiátrico e psicológico e ambos afirmar que tudo que fazemos para nos tratarmos é para que vivamos próximo à normalidade, ou seja, entendo que nunca chegaremos à normalidade, e isto já estou sentindo em mim diante de tudo que já ocorreu na minha vida.Mas o nosso problema não é maior que o poder do nosso Deus. Beijos para todos e vamos tentar viver.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: